Link para Manual de Apoio à Prática da Educação Especial

Dec.Lei 54/2018

CIF - Classificação Internacional de Funcionalidade

Dec. Lei 3-2008 de 7 janeiro

Dec. Lei 21-2008 de 12 maio

Portaria nº201 - C 2015 de 10 julho

EDUCAÇÃO ESPECIAL

 

Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva

 

 

Elementos permanentes  

 

 Educação Especial

Joana Xara Brasil (coordenação)

 

Adjunta do Diretor

Emília Carvalho

 

Representante do 1º ciclo (Conselho Pedagógico)

Lúcia Madeira

 

Representante do 2º ciclo (Conselho Pedagógico)

Bruno Fialho

 

Representante do 3º ciclo e ensino secundário (Conselho Pedagógico)

Manuela Santos

 

Psicóloga

Marta Santos

 

Elementos Variáveis

Docente titular/ docente de grupo/ Diretor de turma

Outros docentes do aluno

Técnicos do centro de recursos para a inclusão (CRI)

Outros técnicos que intervêm com o aluno

REFERENCIAÇÃO  

A referenciação é feita aos órgãos de gestão da escola da área de residência sempre que se suspeite da existência de necessidades educativas de carácter permanente.

AVALIAÇÃO

 O departamento de educação especial e o serviço técnico-pedagógico de apoio aos alunos analisam a informação disponível e decidem sobre a necessidade de uma avaliação especializada por referência à CIF-CJ

 

RELATÓRIO TÉCNICO-PEDAGÓGICO

Depois de uma análise conjunta dos dados da avaliação, com a ajuda da checklist  da CIF CJ é elaborado um relatório técnico-pedagógico onde se identifica o perfil de funcionalidade do aluno, tendo em conta atividade e participação, as funções e estruturas do corpo e a descrição dos facilitadores e barreiras que a nível dos fatores ambientais influenciam essa mesma funcionalidade.

Definição das medidas a aplicar

 

A aplicação das medidas previstas  no dec. lei 3/2008 tem por objetivos a inclusão educativa e social, o acesso e o sucesso educativo, a autonomia, a estabilidade emocional, bem como a promoção da igualdade de oportunidades, a preparação para o prosseguimento de estudos ou para uma adequada preparação para a vida profissional e para uma transição da escola para o emprego das crianças e dos jovens com necessidades educativas especiais

MEDIDAS/ESTRATÉGIAS

Plano Educativo Individual – PEI

O PEI é elaborado, conjunta e obrigatoriamente, pelo docente responsável pelo grupo ou turma ou pelo diretor de turma, dependendo do nível de educação ou ensino que o aluno frequenta, pelo docente de educação especial e pelo encarregado de educação, ou seja, por quem melhor conhece o aluno e por quem trabalha diretamente com ele. É elaborado de acordo com o perfil de funcionalidade do aluno e deverá explicitar as medidas, estratégias e tipo de apoio que o aluno deverá usufruir.

SEDE DE AGRUPAMENTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS EDUARDO GAGEIRO

 

Rua Sport Grupo Sacavenense

2685-011 SACAVÉM 

 

GPS  38.47, -9.06
 

INFORMAÇÕES

Tel  219 499 800

E-Fax Geral  210 121 664

secretaria@eduga.pt

diretor@eduga.pt

www.eduga.pt

      © 2016 CopyRights | AEEG

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now